Os brancos salvaram o blues

Mestres como BB King sempre reconheceram a contribuição que os guitarristas brancos ingleses deram para o crescimento e renovação do estilo


Mestres como BB King sempre reconheceram a contribuição que os guitarristas brancos ingleses deram para o crescimento e renovação do estilo

Parece difícil acreditar, mas foram os brancos que salvaram um dos ícones da cultura negra americana, o Blues. Até a década de 60 o estilo tinha espaço nos EUA apenas nos bares para o público negro. Os grandes ídolos do blues eram conhecidos apenas por esse público, até que suas músicas se tornaram referências para jovens brancos do outro lado do Atlântico. Sim, na década de 60, na Inglaterra, o blues ganhou um novo status e era tocado em pubs onde os artistas americanos eram mais reconhecidos e bem pagos do que em sua terra natal.

Apaixonados pelo estilo os os jovens britânicos passaram não apenas a ouvir, mas também a tocar suas músicas. No início dos anos 60 surgiram bandas de blues britânicas como a Blues Incorporated, que funcionava como uma espécie de casa aberta para músicos de blues. Dessa banda participaram nada mais e nada menos que Mick Jagger, Charlie Watts e Brian Jones, que viriam formar os Rolling Stones pouco tempo depois. Da Blues Incorporated também participaram Jack Bruce e Ginger Baker, que fundariam o Cream.

Não demorou muito para que o blues se tornasse a principal influência da maior parte das bandas da época. Na sua fonte beberam os Yardbirds, The Animals e o próprio Rolling Stones. Ainda no início dos anos 60 John Mayall fundou a banda Bluesbrakers e gravou um disco antológico com a participação de um então jovem guitarrista chamado Eric Clapton.

Alguns anos depois então aconteceu o improvável. O blues britânico invadiu os EUA e fez uma revolução naquele país. Sim, eram brancos tocando música negra. Os artistas britânicos ajudaram a dar fama aos grandes nomes do blues que eram desconhecidos pelos brancos em sua própria terra natal. Mestres como BB King, Buddy Guy, entre outros, passaram a lotar casas com um público novo e diferente.

Os artistas de blues americanos acreditavam que só eles eram capazes de tocar o blues, mas, depois da invasão britância, eles não apenas passaram a respeitar os blueseiros ingleses como também a reverenciá-los. BB King reverenciava publicamente Eric Clapton a quem considerava um grande amigo. A generosidade de Clapton e admiração pelos seus inspiradores ajudou a alavancar a carreira de muitos músicos de blues.

A história do blues é um dos exemplos do enorme poder da música como forma de integração capaz de superar todo tipo de discriminação. Salve o blues e o rock´n roll.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *