Basicamente, eu sou um jardineiro

Quinze anos após sua morte, George Harrison ainda continua sem receber o valor que merece na história do rock


George Harrison não se considerava um guitarrista dedicado, e essa frase emblemática que ele disse, ao se julgar um jardineiro em vez de músico, sintetiza a sua personalidade. Como dizem, se você não se valoriza, quem vai valorizar você? E, de fato, pouca gente reconhece o talento desse músico estupendo.

Hoje faz 15 anos da morte de George Harrison e vi muito pouca menção sobre ele nas redes sociais. Talvez porque, neste mesmo dia, acordamos com a triste notícia do acidente com o avião que transportava o time da Chapecoense. Obviamente, essa terrível tragédia ocupou as timelines de todos nós.  Mas, eu arrisco dizer que a razão verdadeira é a que eu citei acima. Na minha opinião a falta de posts falando do ex-Beatle é exatamente um retrato de como ele sempre foi esquecido, e diga-se de passagem, injustamente.

Harrison era sim um guitarrista espetacular. A questão é traduzir o que é ser um guitarrista espetacular. Como guitarrista, a minha percepção de excelência nesse ofício não é tocar centenas de notas em poucos segundos. Rapidez para mim, muitas vezes, é como uma ejaculação precoce. Para mim, a excelência nesse instrumento também não significa saber harmonias complexas. Na minha opinião, a guitarra, acima de tudo, é um instrumento que exige sensibilidade. Talvez, o instrumento que mais exija esse talento. E Harrison era um homem sensível!

“Sentimos falta dos grandes riffs que Harrison criou. Além de suas próprias composições, quase todas as músicas de Lennon & McCartney possuem um grande riff de guitarra. George era quem tinha de pensar nessas coisas – isso já é dois terços de uma grande música.” (Brian Setzer)

Por que a guitarra exige sensibilidade? Pelo simples fato de que ela pode falar muito alto, e ao mesmo tempo muito baixo. Você pode fazer uma nota chorar com um bend, coisa que o piano, por exemplo, não faz. Você pode fazê-la gritar com uma microfonia, o que nenhum outro instrumento proporciona. Então, tocar guitarra com excelência para mim é, acima de tudo, saber emocionar as pessoas através de todas essas nuances de sons e timbres que ela te permite obter.

Não á a toa que Harrison é admirado muito mais pelos próprios músicos do que pelo público que, na maioria das vezes, se impressiona com uma firula ou uma presepada qualquer.  Quem entende do assunto consegue enxergar como ele era um guitarrista fora do comum, fazendo apenas o simples, mas de forma surpreendente. Seus riffs tornaram muitas músicas dos Beatles inesquecíveis. E ele próprio, era um compositor espetacular, capaz de fazer canções como Something.

O rock agradeceria se existissem menos guitarristas egocêntricos e mais guitarristas como George Harrison. Sem dúvida, a quantidade de belas canções nesse mundo seria muito maior!

“George Harrison foi um guitarrista fabuloso e um exemplo maravilhoso de como um rock star deve
ser. Eu o reverenciava como um inovador. Ele sempre foi original, corajoso e melódico. Era repleto de qualidade espiritual e consciente da estrutura de acordes sob o solo. Ele teve a coragem de tocar de maneira simples. Nunca se refugiou em efeitos ou tentou impressionar com velocidade. Espero que Harrison tenha sabido o quanto nós o amávamos e respeitávamos.” (Brian May)

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *