As vítimas do blues

Músicos abandonam carreiras por não conseguirem se sustentar tocando blues no Brasil


A notícia de mais um grande músico que desiste da carreira musical me motivou a escrever esse artigo. O baixista Ugo Perrota comunicou em sua página no facebook que desistiu. Palavras dele: “querer viver de blues no Brasil é como enxugar gelo. Um dia o braço cansa”.

Ugo é um músico de nível internacional. Um baixista que faz parte da história do blues no Rio de Janeiro e no Brasil. Uma carreira com 20 CDs gravados, além de acompanhar músicos consagrados nacionais e estrangeiros. Mas, após passar toda sua vida até agora tentando viver exclusivamente da sua arte e talento, ele decidiu pendurar as chuteiras preocupado com seu futuro.

“Para mim, é o fim de um ciclo, hora de me recolher e empreender em outras áreas antes que seja tarde demais. A música me deu muita coisa, conheci muitos lugares e pessoas, um feitiço que me deixou cego e com isso, tive o meu futuro cobrado pela mesma e a conta foi e está sendo pesadíssima!”, desabafou o músico.

Sim, viver de música não é fácil, e apenas tocando blues é mais difícil ainda. Aliás, viver de qualquer coisa não é fácil. Para ser mais exato o certo é dizer “viver não é fácil”. Uma das maiores lendas do blues, Buddy Guy diz “Hard Times never last. Each day is a bless”, que significa “Tempos difíceis nunca acabam. Cada dia é uma benção”. Essa frase ilustra que viver da música não é fácil, mesmo para quem alcança a fama.

É notório músicos de blues que passam anos na “pindaíba”, até serem “abençoados” pelo sucesso.  Todos tiveram carreiras de altos e baixos. O blues não é uma música de massa, muito pelo contrário, é um estilo restrito a admiradores apaixonados então, viver apenas tocando blues é um grande desafio.

Há anos eu venho estudando o que é sucesso e como você pode ser bem sucedido fazendo aquilo que ama. Hoje eu tenho absoluta certeza que o sucesso depende de uma conjunção de fatores. 90% depende de você, mas 10% será fruto do acaso. E esses 10% muitas vezes causam verdadeiras injustiças.

No caminho rumo ao sucesso existem três níveis:

O primeiro é o nível da Capacitação. Qualquer pessoa pode se capacitar a fazer alguma coisa, e isso inclui tocar um instrumento. Se você tiver determinação, vontade e um mínimo de pré requisitos indispensáveis poderá aprender música e se tornar um profissional.

O segundo nível é a Competência. Ser capaz não significa ser competente, e é nesse nível que a peneira começa a afinar drasticamente. O que é competência? Muito pouca gente sabe. Competência é a conjunção da habilidade com o comportamento, ou seja, não basta apenas aprender a fazer bem alguma coisa para ser competente, é preciso ter os comportamentos desejados.

A maioria dos músicos “derrapa” no comportamento. Muitos sabem tocar um instrumento maravilhosamente bem, mas não possuem comportamento adequado para o exercício da atividade. O comportamento inclui uma gama de atitudes e hábitos que podem tanto alavancar a carreira quanto afundá-la.

O último nível é o da Excelência. Nesse nível muito poucos conseguem chegar. Ele inclui a capacitação, a competência e um último elemento indispensável, o talento! O talento é uma predisposição natural para você fazer alguma coisa. É uma característica que já nasce contigo e que te tornará diferenciado naquilo que você faz. Muita gente tem talentos que nem imagina, não os desenvolvem e passam a vida sem aproveitar seu potencial. Outros, pelo contrário, sabem quais são seus talentos, mas não conseguem avançar porque não se capacitam e não cultivam os comportamentos para se tornarem competentes.

Alcançar esses três níveis é indispensável, porém ainda assim, não é um passaporte para o sucesso. Eles correspondem aos 90% que dependem de você. Entretanto, existem 10% que dependem de oportunidades. Existem talentos incríveis que nunca vão alcançar o sucesso simplesmente pela total falta de oportunidades. A oportunidades são geradas pelo meio em que vivemos. No Brasil, por exemplo, a falta de cultura e a pouca difusão do blues fazem com que as oportunidades para músicos desse estilo sejam muito reduzidas. Por isso, existem tantos músicos talentosos que enfrentam enormes dificuldades para viver do seu ofício, sendo obrigados a buscar renda complementar de outras formas.

Existe hoje um profissional muito em voga chamado coach. Um coach pode te ajudar a alcançar o sucesso porque ele vai te ajudar a descobrir quais são as suas deficiências para que você possa corrigi-las e quais são os seus pontos fortes para que você possa investir neles.  Existem coaches de carreira também para músicos.  Com a ajuda de um coach um músico talentoso possa descobrir porque não conseguiu sobreviver da música, se preparar melhor e tentar novamente.

 

 

2 comentários em “As vítimas do blues

  • 18/03/2017 em 17:24
    Permalink

    Essa data, 14 de março é o meu aniversário, e como sou blueseira de carteirinha, fiquei muito triste com esse presente da dura realidade dos músicos de blues. Num pais onde o sertanejo de má qualidade, o funk entre outras porcarias fazem sucesso absoluto. triste ! Morro ouvindo um bom blues. Sorte para todos os músicos de Blues.

  • 16/10/2017 em 13:51
    Permalink

    Excelente texto , uma reflexão profunda nesse universo musical tão injusto com muitos !!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *