Brasileiros nunca desistem

Cícero Pestana, do Dr. Silvana & Cia, fala sobre as dificuldades de se viver de música do Brasil em entrevista exclusiva para a Rio Rock & Blues Magazine


Ele foi um dos precursores do humor no Rock e sua banda uma das mais bem sucedidas do Rock Brasil dos anos 80, Prestes a se apresentar, neste sábado -13/01 – no 3º Rio Rock & Blues Festival 2018, Cícero Pestana (guitarra e voz) da Dr. Silvana & Cia, conversa com a Rio Rock e Blues Magazine sobre rock, mídia, e o atual cenário do rock no Brasil.

Rio Rock & Blues Magazine – 32 anos de estrada não é pouca coisa. Como você avalia os altos e baixos de ser uma banda de rock nos dias de hoje, no Brasil?

Cícero PestanaSer uma banda de rock hoje no Brasil não é facil, assim como não é fácil ser qualquer tipo de banda no Brasil. Nós não temos mecanismos que facilitem a vida do artista. O patrocinio para shows artísticos não é uma prática no país. As passagens são caras comparadas ao cachê, as leis de tarifa de bagagens prejudicam diretamente os artistas. Sindicatos ou Ordens referentes a músicos ou artista não protegem os mesmos. Fora uma pequena parcela de artistas, considerando o universo de artistas nacionais, a vida do artista é muito sacrificada, é preciso muito amor a profissão. Que dirá banda de rock que precisa de equipamentos caros com taxas alfandegárias muito altas quando se procura a qualidade dos instrumentos importados. A faixa de equipamentos desenvolvidos no Brasil mesmo ainda é muito pequena e pouco divulgada.

RRBM – Sem o Dr. Silvana, provavelmente não teria havido os Mamomas Assassinas, já que o tipo de humor era bastante similar. Você acha que no caso dos Mamonas a imprensa em geral apoiou mais, o que fez a banda alcançar um sucesso absurdo, ao contrário do que fizeram com o Dr. Silvana?

CP É claro que o bom humor sempre foi nossa característica, assim como Ultraje a Rigor e até mesmo a Blitz. Considero sim, que fomos precursores nesse movimento, mas existiram muitas bandas que exploravam o humor em muitas épocas do nosso rock, então não acho que o Mamonas não apareceriam se não fossemos nós, diria que tivemos nossa parcela.

RRBM – Quais os artistas que vocês ouviam e como influenciaram o trabalho do Dr. Silvana?

CPAs minhas Influências, falo “minhas” porque sempre tive a honra de conduzir musicalmente a carreira, foram as mesmas de guitarristas dos anos 70: Jimi Hendrix, Eric Clapton e as bandas Beatles, Rolling Stones, Who, Led Zeppelin, Deep Perple, AC DC, e mais recentemente Van Halen, Guns, Aerosmiths e várias mais.
No cenário nacional, Mutantes e porque não dizer, a Jovem Guarda, Blitz, Paralamas e muitos mais contemporâneos, porque de onde se ouve música é possível sofrer influencias até de como não se fazer…rsrsrsrsrsrs

RRBM – É notório que uma enorme parcela das bandas que estouraram nos anos 80 acabaram. Uma parcela menor continua atuante e em evidência na mídia. Mas também existem as que não dependem da mídia para continuarem se apresentando pelo Brasil inteiro. Até aonde esta “independência” é positiva para o artista, se é que é?

CPNos anos 80 a mídia era muito mais “fácil”, é claro que se dependia das gravadoras, jabás, etc, Mas existiam muitas rádios do segmento, vários programas de televisão com paradas musicais de alcance nacional. Hoje o mundo mudou muito, principalmente por causa da internet, um instrumento muito novo mas que já se mostrou tremendamente eficaz na promoção de artistas independentes (praticamente todos somos atualmente), mas ainda está nas mãos de poucos. Acredito que em pouco tempo essa mídia vai ajudar aos artistas brasileiros alcançarem mais pontos nesse Brasil de dimensões muito grandes e que dirá o mundo. Bem vinda a internet (se os homens não a estragarem)

RRBM – Ainda dá pra viver de rock no Brasil?

CPEm primeiro lugar temos que conceituar “viver”. É muito difícil se ganhar dinheiro no Brasil com arte, hoje em dia é muito difícil se ganhar dinheiro com qualquer coisa. Os artistas têm que se virar com o que aparece, diminuir custos, ampliar o espectro de atuação, etc. Mas, como em qualquer carreira, acreditamos sempre na melhora e isso se chama amor a profissão…Vamos controlando nossas dívidas, fazendo outras coisas, de modo a sobreviver as baixas, e felizes são os que conseguem continuar na área cultural (musical de preferência). Mas como dizem: “Somos brasileiros e brasileiros nunca desistem…”

Cícero Pestana estará com a Dr. Silvana & Cia na noite do dia 13 no Rio Rock & Blues Festival. O evento acontece durante o mês de janeiro no Rio Rock Experience na Lapa e você pode antecipar seus ingressos para este dia, e os demais, através do site oficial do Festival www.riorockebluesfestival.com.br

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *