A magia da música.

Dando continuidade ao 3º Rio Rock & Blues Festival 2018, a noite de ontem foi espetacular, com muita música e clássicos do rock progressivo e blues.


A terceira noite (12/01) do 3º Rio Rock & Blues Festival 2018 foi, sem sombra de dúvidas até o momento, a que mais fez a felicidade dos “old rockers”, mas também de muito garoto (e garotas), que vibraram, cantaram e dançaram ao som das músicas de uma das mais poderosas bandas de todos os tempos, o Pink Floyd.

A noite abriu com o blues/rock suingado dos Filhos de Rosemary, no Palco Jack Daniel´s, que de cara mandaram “Tore Down” de Freddie King, também sucesso na voz e guitarra de Eric Clapton.

Espertos, enfileiraram uma série de músicas para não deixar ninguém parado, e ganharam o público com uma apresentação empolgada, com clássicos como “Blues is My Business”, “ Messin´ With The Kids” e “Roadhouse Blues”, entre outras.

Surpresa foi a inclusão, no final, de “Ponto Fraco” do Barão Vermelho e “Tempos Difíceis” de Celso Blues Boy, que fez todo mundo cantar junto.

Logo em seguida, no Palco Riachuelo, foi a vez de Ângelo Nani e a Electric Rio Blues, explorando mais o blues, com “Whats On Your Mind”, “One Way Out”, além de composições próprias.

Ângelo Nani é um jovem gaitista de mão (e boca também) cheia, que com seu arsenal de harmônicas encantou a plateia, com seus fraseados. Tem tudo para se tornar um dos grandes no cenário blues brasileiro.

A temperatura se elevou quando a banda Floyd Explica, headline da noite, subiu ao Palco Jack Daniel´s, e apresentou o seu “The Pink Floyd Experience”. Não se trata de uma banda cover, já que de cara os teclados sumiram, e sim um tributo ao grupo inglês, com arranjos próprios e inventivos. A banda faz uso das guitarras e baixo, para recriar toda a atmosfera, sons e efeitos da obra do Pink Floyd.

O show abriu com “Breath” e emendou com “Time”, cuja a sua abertura famosa, o tic tac de um relógio, foi executado com precisão pelo baixo, arrancado os primeiros gritos de admiração do público. Todos os clássicos do Floyd, e até mesmo coisas menos óbvias, estavam presentes.

Algumas interpretações se destacaram pela excelência, como “Shine On You Crazy Diamond” , “Have a Cigar”, “Brain Damage”…
As pra lá de conhecidas “Another Brick In The Wall”, “Wish You Were Here” e “Comfortably Numb”, além de primorosas, contaram com o coro empolgado do público.

O set fechou com a triste “Hey You”, numa interpretação primorosa, que encerrou o show de forma tranquila, para acalmar o público. Enfim, foi uma excelente noite.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *