Uma noite na Danceteria

Em noite totalmente dedicada aos anos 80, a festa foi total, com muito som e lembranças.


O tempo pareceu ter voltado a meados da década de 80 na quarta noite do 3º Rio Rock & Blues Festival 2018, ontem (13/01), quando as bandas que se apresentaram fizeram um revival do melhor daquela época.

De cara a noite abriu com RJ Café, uma banda afiada que fez um belíssimo tributo ao mago da guitarra Celso Blues Boy, desfiando seus maiores clássicos num Palco Riachuelo lotado.

De “Fumando na Escuridão”, “Rock Fora-da-Lei”, passando por “Blues Motel”, a banda enfiou um hit atrás do outro, sempre sendo acompanhada pela plateia, que não só dançava como cantava junto.

A parceria de Celso e Cazuza, “Marginal”, também foi lembrada, celebrando a memória de outro grande dos anos 80.
O ápice, e orgástico, ficou para o final quando surgiram os primeiros acordes de “Aumenta Que Isso Aí é Rock and Roll”, com certeza o maior sucesso de Blues Boy, que botou a casa abaixo quando seu refrão foi cantado, gritado, suado pra toda a Lapa ouvir. Uma banda que fez jus a memória do homenageado.

Em seguida, no Palco Jack Daniel´s, foi a vez do Dr. Silvana & Cia abrirem seus trabalhos com seu hit “Eh, Oh, Eh, Oh ” ( diga-se de passagem com um peso rock and roll digno de nota ), e trazendo em seguida, músicas que faziam a festa de todos aqueles presentes que no passado, eram frequentadores das danceterias tão comuns na década de 80.

O set incluía o melhor do Rock Brasil com Paralamas, Ultraje, Kiko Zambianchi, Legião, Herva Doce e outros, além de “Serão Extra”, outro grande hit do Dr. Silvana, fazendo do show uma verdadeira parada de sucessos, com as letras na ponta da língua do público.

A casa se tornou um grande baile com muita dança e diversão.

Cícero Pestana, líder, guitarrista e vocalista da banda, além da figura carismática e engraçada, mostra que também é um excelente guitarrista de rock. As versões apresentadas, como citado, passavam longe do pop, pois traziam pegada sem perder a identidade.

O show ainda contou com a rápida participação de Reubes Pess, nos vocais, numa sequência de rocks furiosos do AC/DC, Led Zeppelin, Deep Purple, quebrando a ordem de hits nacionais, mas sem quebrar o ritmo, já que eram canções clássicas que todos, que habitam este planeta nos últimos 50 anos, conhecem.

A noite fechou com uma “Jam” realizada por diversos músicos das bandas que se apresentaram, mais alguns membros da Rio Rock & Blues Band (banda fixa da casa), que colocaram todos para dançar com clássicos nacionais e internacionais.

Uma verdadeira festa como eram as noites nos anos 80.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *