Uma noite com Cazuza

Na sétima noite do 3º Rio Rock & Blues Festival 2018, Cazuza foi lembrado e cantado.


A penúltima noite do 3º Rio Rock & Blues Festival 2018 teve a sensacional performance de Valério Araújo (ex Valério Cazuza), que apesar de ter sido escalado para o Festival em cima da hora, não deixou a peteca cair e brindou a todos com seu competente e sincero tributo ao poeta do Rock Brasil, Cazuza.

Apesar de ser considerado o melhor cover do poeta, Valério não se limita a se caracterizar como o homenageado, subir no palco e cantar as canções maiores da obra de Cazuza. Ele vai muito além, quando monta um roteiro em que se distancia , entre as canções, e comenta a vida de Cazuza, sempre na terceira pessoa, o que demonstra um respeito enorme, deixando claro que sabe a diferença entre ser e estar ali perpetuando a importância de um artista que marcou o rock brasileiro, e não só ele.

Em ordem cronológica, Valério Araújo foi, acompanhado pela Rio Rock & Blues Band e tendo Marcelo Reis como o seu Frejat particular, mostrando o surgimento do roqueiro, sua fase no Barão, sua saída, a descoberta da AIDS, até o derradeiro final. Os textos, muito bem escritos e interpretados, transformam o show num quase musical. Parabéns.

Antes, abrindo a noite, mais uma Guitar Experience, com Marcelo Reis, anfitrião do Rock Experience, dividindo o palco com quem quiser subir ao palco e trocar experiências musicais.

Em seguida foi a vez da banda Bento Veiga e a Velha Raíz apresentando seu trabalho de músicas autorais.
Com uma influência perceptível do som mineiro, predominantemente do Clube da Esquina com uma pegada mais pop, o grupo possui em seu arsenal canções poderosas e que empolgam como foi visto ontem.

Os músicos fazem um trabalho coeso instrumental, o que dá um sabor para as canções, sem serem exibicionistas, tocando com o coração. A plateia, óbvio, respondeu igualmente.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *